Há muita sorte entre os em empreendimentos de sucesso

aces_poker_chips.gif

Assim como um jogador de poker, nenhum empreendedor gosta de dizer que seu sucesso depende da sorte. Realmente, o empreendedorismo, assim como o Poker, está longe de ser um jogo de azar. Mas não dá para ignorar o peso da sorte. Vou explicar.

Sorte em um empreendimento é estar no mercado correto na hora certa. A partir daí, um mínimo de competência de gestão pode transformar o negócio em um sucesso mundial. Gosto de considerar a Microsoft um caso típico desse fato, onde uma parceria inteligente com a IBM (mercado certo, na hora certa) e uma boa gestão seguinte fez a empresa se tornar a gigante de hoje. Mas existiu, de fato, empreendedorismo, inovação e reinvenção nesses mais de 20 anos de empresa ? Então poderia alguém, de uma hora para outra, sem perfil necessariamente inovador, montar um pequeno negócio despretencioso e se tornar um gigante mundial ? Sim, essa pessoa pode estar no mercado correto na hora correta sem saber.

Mas onde entra o espírito de inovação, empreendedorismo nessa história? Simples: pessoas com esse perfil conseguem captar com mais facilidade esses mercados e momentos. Conseguem jogar além da sorte, encontrando oportunidades onde a maioria das pessoas não encontra. Muitas vezes erram e por isso vemos todos os dias pessoas incríveis levando negócios nem tão promissores. Mas essa capacidade tem muito valor.

E tem gente que acerta direto. Steve jobs fez isso várias vezes na Apple. Niklas Zennström, do KaZaA, Skype e cia, também (lembrança do Diego). Evan Williams criou o Blogger, vendeu, criou o Odeo, se deu mal, criou o Twitter, sucesso de novo.

E o Google, qual é o caso de Sergey Brin e Larry Page ?

Posts relacionados:

11 Comments »

  1. Wagner Fontoura Said,

    March 27, 2008 @ 23:57

    Caramba, Renato! Há menos de 30 minutos que estávamos comentando exatamente o fator “sorte” (entre áspas, de propósito) nos negócios, num papo aqui em casa entre meu filho, meu sócio e eu; e agora estamos os 3 aqui espantados a ler seu post, como se você tivesse participado da nossa conversa e corrido a postar enquanto nos distraímos – rs.

  2. Carol Said,

    March 28, 2008 @ 00:42

    Haha, com certeza tem muito de sorte em qualquer mercado!

    Não é só ser um grande empreendedor, não basta saber o chão que você pisa, não basta investimento, a sorte conta SIM! É estar na hora certa, no lugar certo, fazendo os contatos certos!

    Muito bom post!

  3. Cristiano Casagrande Said,

    March 28, 2008 @ 11:00

    Eu não chamaria de sorte, mas é quase isso. Destaco assim como você: “pessoas com esse perfil conseguem captar com mais facilidade esses mercados e momentos. Conseguem jogar além da sorte, encontrando oportunidades onde a maioria das pessoas não encontra”.

    Existem muitas pessoas com ótimos projetos, mas poucos com o empreendedorismo necessário para colocar suas idéias em prática. Acredito que essa é a diferença que faz o sucesso: conseguir unir teoria e prática.

    Admiro muito a capacidade que os empreendedores têm em aproveitar as oportunidades e, não apenas esperar por elas, mas buscar onde as oportunidades se encontram também.

  4. Daniel Heise Said,

    March 28, 2008 @ 11:18

    Eu diria que a sorte, ou até mesmo um “efeito randômico” tem um impacto muito, mas muito maior do que o senso comum dá crédito. Exemplo simples: Se você tem milhares de empreendedores tentando criar uma comunidade social relevante, com certeza (pela regra dos grandes números) um deles vai ter sucesso. Depois do sucesso, quase todos vão dizer que foi puro mérito, mas alguns vão saber que muitas variáveis desse sucesso jamais estiveram sobre o controle ou conhecimento do empreendedor. Recomendo fortemente o livro do Nassim Taleb “Fooled by randomness”.

  5. Diego Said,

    March 28, 2008 @ 14:43

    Ixi pessoal desculpa ai discordar de todo mundo. Mas a sorte é um componente, mas eu não acredito que o Bill Gates tenha tido uma parceria inteligente com a Microsoft. Mas, sim uma percepção empreendedora do mercado.

    Tanto que a proposta inicial era para uma outra empresa oferecer o sistema operacional para a IBM, então acabou ficando a opção do computador vir com o DOS da Microsoft ou o concorrente. Só que o preço do DOS era $40 de royalties e do concorrente era $500.

    A Microsoft fez isso porque tinha a visão de que iria haver um padrão de software (software era um lixo gratuito na época). O que fez a Microsoft não foi sorte mas visão, isso que define os empreendedores VISÃO. Sorte teve a outra empresa, que recebeu a IBM na porta. A Microsoft teve visão e propósito para ir atrás da IBM por causa de um mundo diferente no futuro.

    Penso que é assim em todos empreendimentos de sucesso. Pouquíssima sorte e muita visão e persistência.

  6. Daniel Heise Said,

    March 28, 2008 @ 16:40

    Diego, vamos pegar a sua hipótese com o seu exemplo. Se o sucesso da Microsoft fosse resultado da Visão do Bill Gates e nada a ver com sorte, seria correto afirmar que o livro que ele escreveu em 1996 sobre o futuro, chamado “The road ahead” (nome perfeito para descrever uma Visão) seria uma perfeita descrição do que estaria acontecendo hoje. Você já leu esse livro? Mostra uma visão completamente desconexa com o que realmente aconteceu, ou seja, a Visão dele não valia nada! Se a correlação entre Visão e Sucesso fosse alta, hoje o Bill Gates estaria falido e jamais seria um dos 3 homens mais ricos do mundo. Uma visão é apenas uma hipótese, se a tua visão der sorte de ser aquela hipótese que realmente se realiza, você tem muito sucesso, do contrário tem que começar de novo. Acredito que o importante é você ser capaz de reformar a tua visão a cada novo instante de acordo com a realidade que se desenvolve. O futuro não existe, ele é só fruto da nossa imaginação. As visões fixas são totalmente dependentes de efeitos randômicos.

  7. Diego Monteiro Said,

    March 31, 2008 @ 10:57

    Oi Daniel, esse livro do Bill Gates eu conheço mas nem pensei em lê-lo por um simples motivo. O autor dele não tem nada a acrescentar de futuro! Ele não “é” um visionário, muito menos empreendedor. MAs “foi” no passado! Ninguém é empreendedor, todo mundo está! Aliás, isso é muito comum o cara estar empreendedor e depois entrar por “establishment” depois que está cheio da grana.

    Mas continuo com a minha posição o sucesso é conseguido com visão e empreendedorismo, agora o “quanto” vai ser esse sucesso de ser um cara com uma boa grana ou o cara mais rico do mundo, daí sim entra com um certo peso o elemento sorte (o caso do Bill Gates com certeza esse elemento itensificou seu sucesso, mas não determinou).

    O maior perigo na crença de todos que participaram nesse post, é influenciar os jovens de uma maneira a “fechar possibilidades” em vez de “ampliar possibilidades”, quando se diz que o sucesso depende de sorte, um fator que não podemos influenciar e trabalhar nele. Ficamos a mercê do destino! E o que acontece é o contrário pessoas trabalham muito e de forma correta, o cara tem sucesso, mas as vezes entra a sorte e o faz ter mil vezes mais sucesso que a maioria das pessoas.

  8. Daniel Heise Said,

    March 31, 2008 @ 11:13

    Diego,
    Interessante esse teu último post. Você começa se contradizendo (com relação aos teus outros posts), mas o importante é que no teu último parágrafo você revela a tua preocupação que é muito parecida com a minha. Que o pessoal que esteja começando agora seja iludido por algo que não seja real. Apesar de termos a mesma preocupação, parece que temos soluções diferentes. Eu creio que o que fecha ao invés de ampliar é a visão de que você tem que ser um baita visionário. Isso limita o jovem que dificilmente vai acreditar que ele mesmo seja capaz de prever o futuro tão bem quanto os ícones de tiveram sucesso. A mensagem tem que ser outra: “Faça, tente, experimente, você pode ter tanta sorte quanto tiveram esses caras. Não é necessário ser nenhum gênio visionário, você precisa se dar a chance da sorte conspirar a teu favor e para isso basta tentar”. Isso não é determinismo, é pura afirmação.

  9. Empreendedor Precisa de Sorte? [Manifesto] « People Based - Brasil Said,

    March 31, 2008 @ 11:35

    [...] 31, 2008 Posted by Diego in Manifesto. trackback Tem acontecido um debate interessante no blog do Shirakashi, entre eu e o Daniel [...]

  10. Diego Said,

    April 1, 2008 @ 14:35

    Daniel, poderíamos fechar em:

    “O Sucesso é como surfar, você tem que estar preparado para a onda (sorte), para isso tem que ficar no mar (trabalho inovador, acreditanto). Só que você não sabe quando virá a onda (sucesso) e nem seu tamanho . Mas, se você tiver no mar com certeza a onda virá”

  11. Daniel Heise Said,

    April 2, 2008 @ 18:59

    Ok, vamos para a praia…

Leave a Comment