Archive for Uncategorized

Yammer

Acompanhei algumas das palestras do TC50, algumas em vídeo, algumas via o blog do Daniel Heise. Um dos serviços que me impressionei foi o Yammer. Logo de cara pareceu ser um bom negócio, primeiro, porque já tem um modelo de negócios claro e sensato e, segundo, porque é relevante.

Relevante

O Yammer é um “twitter corporativo” muito bem implementado, baseado no domínio de email dos funcionários. É muitíssimo simples entrar, convidar colegas de trabalho e integrar a ferramenta com seu Gtalk, Msn ou também com uma aplicação Desktop. É relevante porque consegue de maneira eficiente ajudar em um dos maiores desafios das empresas hoje: comunicação.

Modelo de negócios definido

É interessante, pois tem um modelo de negócios já definido, como os serviços da 37signals: para quem quiser uma versão bonita, personalizada, paga US$1 por usuário cadastrado ao mês. Simples.

E não pode ser substituído pelo twitter, pois as informações contidas ali, compartilhadas com os colaboradores da empresa, são privadas. Além disso o twitter é claramente voltado a comunicação geral e entretenimento.

Na verdade esse é um gancho para o próximo post, no qual vou falar do porquê dessa combinação (relevância e modelo de negócios) não ser comum nos negócios que estão surgindo na web 2.0.

Leave a Comment

Iphone a US$199 é um erro ?

O lançamento do novo Iphone a US$199 vem gerando um bafafá enorme por aí. Estão falando até que o Iphone será a nova plataforma móvel!

Mas vamos pensar direito nisso aqui. Um produto apple é diferenciação, estilo, status. A qualidade e recursos do produto são apenas uma base para justificar racionalmente uma ação emocional: a compra de um Iphone. Ninguém comprou o Iphone exatamente por causa de seus recursos e design, mas todo mundo justificou com isso. Não tinha nem 3G, não aceita SDs e vendeu igual água. É diferenciação, estilo, status.

Um Iphone a US$199 não está indo diretamente contra isso ? É massificação, padronização. Daqui a algum tempo, classe C e D estarão com Iphones na mão. As pretensões de torna-lo um produto extremamente popular fazem sentido ? É possível, realmente, alguém se tornar o “Windows” dos celulares ?

Não estou fazendo previsões. É difícil e pretencioso prever o futuro. Estou observando o presente.

Comments (8)

Assim é fácil ….

Cenário:

CEO: “Vamos usar nossa base de dados e integrar com a base de 1 milhão de usuários do XXX, capturar essa oportunidade e gerar milhões!!! Olha que incrível sinergia!! Sucesso!!”

Criança: “Nossos usuários precisam disso ? Gostariam disso ?”

CEO: “Não importa, se 10% aderirem já seremos ricos.”

Criança: “Acho que nao é bem assim. Não é tão fácil assim. Nossos usuários precisam disso ?”

CEO: “Não importa, se 5% aderirem já seremos ricos!!”

Resultado: FAIL!

Parece ridículo, mas esse erro básico acontece todos os dias, em todos os lugares. É o jeito fácil de (não) fazer negócios. Pensar em “parcerias estratégicas” é mais fácil do que pensar em posicionamento e inovação.

Mais uma para o mundo das contas fáceis.

Comments (1)

Twitter e a síndrome do Orkut

Quando explicava as pessoas sobre o Twitter, sempre ouvia afirmações do tipo “que coisa inútil”, “essas pessoas não têm o que fazer?”. Era um pequeno esforço para explicar que sim, o Twitter poderia ser usado para fins mais produtivos do que simplesmente dizer o que se está fazendo no momento. Até escrevi um artigo no ano passado defendendo usos produtivos do twitter. Entretanto, assim como aconteceu no orkut, as mesmas pessoas que estavam utilizando o twitter de modo produtivo e informativo estão agora utilizando o serviço de forma mais pessoal, de entretenimento, dizendo o que estão comendo, avisando que acordaram mau humorados, e coisas desse tipo, sem muita relevância aos contatos não muito próximos.

Não sou contra a utilização do serviço como entretenimento e convívio social, acho que para grupos de amigos próximos funciona muito bem, estou observando que está acontecendo exatamente o que aconteceu com o Orkut. Em seu início, permitia uma troca de conhecimento maior e, com o tempo, esse aspecto foi sufocado pelo entretenimento e joguinhos. O Facebook também. Noise.

O fato é que algumas baboseiras estão sujando as informações realmente relevantes do Twitter. Embora eu tenha a opção de simplesmente parar de assinar algumas pessoas, isso pode ser inviável a partir do momento que esse comportamento se torne global dentro do site. Além disso, dentro de tanto barulho, pode haver alguma informação interessante que eu esteja perdendo.

Precisamos já, todos, de alguma coisa que transforme todo esse barulho(noise) em informação relevante (signal).

Continuo no Twitter, mas minhas expectativas já são outras.

Comments (10)

Há muita sorte entre os em empreendimentos de sucesso

aces_poker_chips.gif

Assim como um jogador de poker, nenhum empreendedor gosta de dizer que seu sucesso depende da sorte. Realmente, o empreendedorismo, assim como o Poker, está longe de ser um jogo de azar. Mas não dá para ignorar o peso da sorte. Vou explicar.

Sorte em um empreendimento é estar no mercado correto na hora certa. A partir daí, um mínimo de competência de gestão pode transformar o negócio em um sucesso mundial. Gosto de considerar a Microsoft um caso típico desse fato, onde uma parceria inteligente com a IBM (mercado certo, na hora certa) e uma boa gestão seguinte fez a empresa se tornar a gigante de hoje. Mas existiu, de fato, empreendedorismo, inovação e reinvenção nesses mais de 20 anos de empresa ? Então poderia alguém, de uma hora para outra, sem perfil necessariamente inovador, montar um pequeno negócio despretencioso e se tornar um gigante mundial ? Sim, essa pessoa pode estar no mercado correto na hora correta sem saber.

Mas onde entra o espírito de inovação, empreendedorismo nessa história? Simples: pessoas com esse perfil conseguem captar com mais facilidade esses mercados e momentos. Conseguem jogar além da sorte, encontrando oportunidades onde a maioria das pessoas não encontra. Muitas vezes erram e por isso vemos todos os dias pessoas incríveis levando negócios nem tão promissores. Mas essa capacidade tem muito valor.

E tem gente que acerta direto. Steve jobs fez isso várias vezes na Apple. Niklas Zennström, do KaZaA, Skype e cia, também (lembrança do Diego). Evan Williams criou o Blogger, vendeu, criou o Odeo, se deu mal, criou o Twitter, sucesso de novo.

E o Google, qual é o caso de Sergey Brin e Larry Page ?

Comments (11)

Twitter nunca será um facebook, myspace, google …

facebook-twitter.jpg

Muito se fala, em determinados nichos, do Twitter como a nova sensação do momento. Realmente, o twitter é fantástico, principalmente por fazer tudo o que faz em uma única tela, com posts de 140 caracteres. É um tiro certeiro, com ótima implementação. Pena que nunca será um Facebook, Myspace, etc…

É simples: ele não é tao abrangente como uma comunidade virtual generalista. Não estou falando da competência dos fundadores de fazer algo abrangente, mas sim que o conceito da ferramenta não permite.

O twitter é bom para pequenos grupos de amigos jovens que sempre mantém contato e profissionais de comunicação. Para outros tipos de relações, as comunidades virtuais generalistas são melhores. Não faz sentido manter um grau tão grande de conexão, atenção e interação com amigos que não sejam próximos, o que restringe bastante a abrangência da ferramenta.

Então, não dá para falar que ele baterá as atuais comunidades virtuais. Nem hoje, nem nunca.

PS.: Nem o friendfeed.

Comments (6)

Mídia online definitivamente em alta

Ou: mídia offline definitivamente em baixa.

jornalismo.jpg
Saiu na Reuters do ultimo dia 29: “Nearly 70 percent of Americans believe traditional journalism is out of touch, and nearly half are turning to the Internet to get their news, according to a new survey.”

São números assustadores. Imagine agora como estão os veículos de comunicação offline diante dessa transformação. Em Novembro, o Grupo Estado lançou o limão, resultado de um investimento de R$50 milhões no primeiro ano, uma tentativa desesperada de entrar de cabeça nesse novo mercado.

Estamos todos diante do dilema da inovação.

Leave a Comment

Steve Johnson no roda viva

Steve Johnson vai estar no roda viva do dia 01 de março 25 de fevereiro, segunda feira, na cultura, às 22:40.

É ele que está dizendo por aí que os jovens estão ficando mais inteligentes por causa dos jogos e da internet.

Um trecho da entrevista:

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=eAaMv6cxurs]

Comments (2)

Os mitos da Web 2.0

web2.jpeg

1. Na Web 2.0 todos geram conteúdo

Mentira. Na web 2.0, 1% gera conteúdo, 10% interage, e 89% apenas consome. Estou cansado de ver sistemas que esperam que todos usuários interajam de alguma forma. Além disso 1% das pessoas é muita gente.

2. Na Web 2.0 as pessoas gostam de se ajudar.

Mentira. As pessoas interagem por motivos pessoais, seja um por reconhecimento ou por um ganho específico pessoal. Não espere que elas façam algo sem a esperança de ganharem algo em troca.

3. Na Web 2.0 o segredo é o mercado de nicho.

Mentira. Os grandes players da Web 2.0, com algumas exceções, não são exatamente de mercados de nicho. Para atacar nichos, deve-se escolher uma cauda longa o suficiente para se ter alguma escala. Criar uma comunidade para “pescadores do mar mediterrâneo” não vai resultar no novo Google.

Comments (13)

Brainstorm não funciona

Walter Longo, mentor de inovação da Newcomm, antenadíssimo e muito experiente, em uma entrevista comentou sobre o uso do brainstorm como modo de criação. Tenho a mesma opinião que ele: se uma equipe é chamada desavisada para um brainstorm, não funciona.

Aqui está porque:

1. As pessoas precisam de tempo para pensar.


2. As pessoas têm dificuldade em dizer tudo o que pensam em público. Ainda mais em uma posição fragilizada em que não puderam organizar previamente suas idéias.


3. As pessoas ou pensam ou ouvem.


4.As pessoas não conseguem formular rapidamente contra-argumentações racionais para suas inquietações.

    Brainstorm funciona melhor se houver um tempo prévio para que todos possam pensar e articular suas idéias. Aí então se são expostas as idéias e todo o processo anda, de forma mais construtiva.

    [OFF]

    - Fui nomeado um dos Top empreendedores da blogosfera brasileira. Obrigado!

    - O Meiobit fez um apanhado de fotos de onde os blogueiros trabalham. Ficou muito legal.

    Comments (1)